Conferência JavaScript do Ceará

Dia 04 de junho aconteceu a CEJS, em Fortaleza. O evento foi pra reunir a comunidade JavaScript da região com ótimas palestras.

Fiquei bastante surpreso com o tamanho da comunidade e com o conteúdo compartilhado durante cada slide dos palestrantes!

Vou contar um pouco sobre a viagem e em seguida sobre o evento em si (se quiser pular para as palestras, clique aqui).

A viagem

Cheguei em Fortaleza na sexta-feira, junto com minha esposa, já com aquele baque de temperatura. Em São Paulo, estávamos em 14º. Ao descer do avião, 30º. Mas fui bem avisado pela galera de lá sobre o calor excessivo (principalmente pelo CJ Patoilo portanto foi uma quebra de temperatura já esperada =D

A cidade litorânea é realmente bonita. Não conseguimos ir nos destinos no contorno, como Jericoacara e Canoa Quebrada, mas ficamos próximos da Praia do Futuro e pudemos descansar um pouco à beira mar.

No sábado, foi impossível ir a qualquer lugar que não fosse o evento. Por isso, no domingo tiramos o dia pra passear na cidade. Conhecemos o Jardim Japonês, a Praia de Iracema, a Ponte dos Ingleses e o Mirante.

Antes de ir embora, ficamos no "espigão" admirando o pôr-do-sol junto ao mar. Foi uma das vistas mais bonitas que tive o prazer de contemplar. Depois disso, só me resta voltar com mais tempo e curtir a região toda! E com certeza farei =D

As palestras

Como de praxe, algumas coisas que estão no "hype" apareceram como tema, como React, por exemplo, mas tivemos outras palestras mais voltadas a assuntos não explicitamente técnicos, como a do Almir Filho (The Creative Developer). Essa, por sinal, foi uma das que mais curti no evento - não desmerecendo as outras, que foram excelentes! Palestras não técnicas são excenciais para esses eventos.

Entre essas não muito técnicas, estava a do José Peleteiro, que comentou como um pet project (projeto pequeno e pessoal) pode escalar de forma tão rápida e ampla. O case da Biblia Online é interessantíssimo. Imaginem um site que possui mais de 300.000 acessos por dia!! Peleteiro comentou como foi mudando aos poucos a arquitetura do projeto e como alguns dogmas que ele tinha em relação a bilbiotecas e frameworks foram sendo derrubados com o surgimento de novos conceitos na comunidade. Digo que não foi tão técnica, pois Peleteiro não foi a fundo comentando sobre as ferramentas que usou, mas o foco era contar como a evolução do site foi ocorrendo.

Das palestras técnicas, tivemos o Vitor Alencar, distrinchando alguns pontos do ES2015 e como ele começou a brincar mais com essas novas features do JavaScript.

Thulio Philipe comentou sobre a API do Google Maps e como é simples implementar coisas usando geocode, distance points, entre outras ferramentas que o Google disponibiliza para os desenvolvedores. Além disso, mostrou alguns projetos envolvendo cada um dos temas que ele citou na palestra. Curti demais essa forma de passar conhecimento (algo na prática, de fato).

Raphael Amorim também trouxe um experimento muito interessante, usando WebVR - conceito de VR na Web - e fez uma ferramenta que pegava hashtags do Twitter, com imagens, e colocava dentro de um ambiente com profundidade, usando um óculos VR. Muito massa!

Adalto Junior comentou sobre sua experiência com desenvolvimento de aplicativos mobile híbridos. Muito do que ele falou eu vivenciei quando trabalhei no Medicinia. Problemas de performance, utilização de plugins, criação de parte da aplicação de forma nativa, etc. foram os itens que me identifiquei quando ele falava.

Emerson Macedo trouxe um tema polêmico (Learn that shit) onde comentou sobre como temos desenvolvedores front-end que não sabem os meandros da linguagem, mas se arriscam em frameworks ou bibliotecas, ao invés de aprenderem a fundo sobre a linguagem. Eu curti a palestra e entendi o que ele quis dizer nos seus slides, embora eu ache que a forma como foi passada pode ter confundido um pouco os ouvintes, passando uma crítica um pouco exacerbada. Talvez um pouco menos de tempêro poderia ficar perfeito (reforçando que entendi totalmente os pontos do Emerson e concordo com 100% do que ele falou).

O Daniel Laurindo falou sobre React de uma forma bem intuitiva e objetiva, passando sobre como ocorrem as alterações no DOM (que inclusive vai ser o tema da minha palestra na RuPy Campinas) até o lifecycle do componente. Falou com maturidade e propriedade.

As lightning talks foram bem bacanas, uma pena o tempo ter sido tão corrido para os temas que foram apresentados - mas lightning talk é assim mesmo =D. Vimos sobre Imutable JavaScript (com Franzé Júnior), de TypeScript (com Matheus Albuquerque e Abraão Alves e Electron (com o Emerson Thompson). Ótimos assuntos para uma conferência!

Resumindo

Com certeza, depois desse evento pude ver como as comunidades está forte em todo o canto do Brasil. É muito bom ver uma galera mandando muito bem em outras regiões que não seja o eixo sudeste também. Isso com certeza é uma prova e uma nova perspectiva, tanto pro mercado de tecnologia no Brasil, como para as pessoas que estão com vontade de entrar nesse ramo.

Foto da galera no final

* (mais fotos, veja aqui)

Queria parabenizar os organizadores pelo esforço de colocar quase 150 desenvolvedores front-end num evento, contando com apoio de patrocinadores e apoiadores de alto nível.

Quero agradecer também à BankFacil por ter patrocinado minha passagem e apoiado o evento, mesmo sendo no extremo do país. Isso mostra a pegada que a empresa tem em apostar nos profissionais da empresa e também na comunidade, pois é dela que surgem os desenvolvedores que tem tomado conta das startups por aí!


Ah, seguem slides da minha palestra => http://bit.ly/jurassic-js-cejs.

comments powered by Disqus